ALFABETO PONTILHADO PARA IMPRIMIR

Atividade para primeira série.
Letra A pontilhado para Imprimir
Quem tem crianças em casa e de 5 a 6 anos, pode começar dando estes exercícios em casa para praticar a mãozinha pequena a escrever a letra ” A”.
Quanto mais praticar melhor! A criança pode aproveitar melhor a aula se estiver bem treinada, e crianças desta idade são ansiosas em aprender. Não deixe para elas aprenderem tudo na escola. Sempre revise os temas e passe exercícios em casa. Elas se interessaram bem mais e aprenderam mais rápido. Este exercício fiz para minha filha e está facilitando bastante,
e a letrinha já está mais perfeita.
Para imprimir clique na foto.

alfabeto letra a pontilhado

ALFABETO PONTILHADO PARA IMPRIMIR

Atividade para primeira série.
Letra A pontilhado para Imprimir
Quem tem crianças em casa e de 5 a 6 anos, pode começar dando estes exercícios em casa para praticar a mãozinha pequena a escrever a letra ” A”.
Quanto mais praticar melhor! A criança pode aproveitar melhor a aula se estiver bem treinada, e crianças desta idade são ansiosas em aprender. Não deixe para elas aprenderem tudo na escola. Sempre revise os temas e passe exercícios em casa. Elas se interessaram bem mais e aprenderam mais rápido. Este exercício fiz para minha filha e está facilitando bastante,
e a letrinha já está mais perfeita.
Para imprimir clique na foto.

alfabeto letra a pontilhado

Atividade com Alfabeto

Atividade para primeira série com letras do alfabeto
Pintar os quadradinhos das letras do alfabeto.
Recortar
Colar em outra folha seguindo a ordem que está devidamente colocada no quadro.
As crianças desenvolvem a pintura, treinando a locomoção da mão, trabalham com recortes para ajudar o cérebro memorizar e aprendem a ter atenção no quadro negro desde cedo e se familiarizam com o alfabeto.
Para 6 anos.

atividade com alfabeto

atividade com alfabeto para colorir

Atividade com Alfabeto

Atividade para primeira série com letras do alfabeto
Pintar os quadradinhos das letras do alfabeto.
Recortar
Colar em outra folha seguindo a ordem que está devidamente colocada no quadro.
As crianças desenvolvem a pintura, treinando a locomoção da mão, trabalham com recortes para ajudar o cérebro memorizar e aprendem a ter atenção no quadro negro desde cedo e se familiarizam com o alfabeto.
Para 6 anos.

atividade com alfabeto

atividade com alfabeto para colorir

Alfabetização literária

42-15654394 
Apesar de, através dos séculos, a maioria das pessoas ter tido um acesso limitado à língua escrita, os textos sempre desempenharam um papel vital na história humana não só em termos do conteúdo, mas também da forma. A escrita revela a natureza das relações sociais na comunidade e cultura que os produz e usa como aspecto fundamental dessas mesmas relações. A natureza de um texto religioso no século XIV revela a estrutura social, cultural e religiosa da época. O mesmo acontece com uma mensagem de e-mail enviada entre colegas de trabalho numa companhia de seguros.
“A comunicação escrita é um acto fiduciário entre autores e leitores no qual ambos se tentam orientar continuamente visa-vis um estado anticipado de convergência entre si”.
“Todos o textos são “escritos” tanto pelo escritor como pelo leitor.”

A possibilidade de comunicação via textos é mais do que a capacidade de leitura de símbolos linguísticos numa página. O que um texto simplemente diz e o que comunica socialmente podem ser realidades e ideias completamente distintas. O intercâmbio real entre um autor e um leitor é baseado num passado social e cultural partilhado. Ler um texto e interpretá-lo são duas realidades e experiências diferentes. Saber “ler” não.
Acesso social, práticas educativas e mudanças teórico-pedagógicas…significa “saber ler.” Sem a interpretação contextualizada no tempo e espaço, a comunicação ocorre somente num nível superficial, se de todo. A menos que o termo e conceito de alfabetização venham a ser alargados para se referir também a um tipo de alfabetização cultural e social, este termo não pode ser considerado sinônimo de literacia.
A literacia é o uso de prácticas situadas no contexto social, histórico e cultural que nos permite criar e interpretar significados através do uso de textos. (Por esse motivo a literacia) pressupõe pelo menos o conhecimento das relações entre as convenções textuais e os contextos em que são usadas e, idealmente, a capacidade de reflectir de forma crítica sobre essas relações. Como está ligado a objectivos claros, a literacia é dinâmica – não estática – e varia de uma comunidade discursiva e cultural para outra. (A literacia) chama a si uma grande variedade de aptidões cognitivas  e conhecimentos da língua escrita e falada, do conhecimento de géneros e de conhecimento cultural
Os símbolos linguísticos que nos permitem registar conteúdos são prerequisitos essenciais para a literacia, não são, contudo, o seu expoente máximo.
“A literacia tem que ver, acima de tudo, com a linguagem e o conhecimento da forma como é usada, e só secundariamente com os sistemas da escrita”.
Cada indivíduo tem um discurso primário, aquele que aprendeu na sua cultura familiar e no grupo em que se insere. Além desse sistema familiar e comunal do seu discurso primário, cada um geralmente aprende discursos secundários ligados às instituições sociais em que se movimenta – escola, local de trabalho etc. Cada discurso dentro de cada comunidade é sempre ideológico e resiste à crítica interna enquanto, ao mesmo tempo, se opõe a outros discursos e atribui valor a certas coisas a custo de outras, estando, assim, ligado à distribuição de poder e à hierarquia estrutural da sociedade.
Quando uma pessoa, embora participe numa comunidade primária e tenha um discurso primário, se
encontra à margem da organização social mais lata, tal sentido de falta de poder limita a sua capacidade de participação literata nessa mesma sociedade.
Por óbvias que as afirmações prévias pareçam, na realidade, só recentemente se começou a conceber de forma coerente a natureza verdadeiramente generativa e social dos textos, especialmente no que se refere ao seu ensino e didáctica. O conceito de alfabetização – anterior ao conceito de literacia e teoricamente ligado a conceitos comportamentalistas e cognitivos de independência de acção do aprendente no processo de aprendizagem – tem sido “executado” através do ensino dos processos línguisticos irredutíveis da leitura e da escrita. Independentemente da esfera social onde circula e existe, e sem esse entendimento, a aprendizagem torna-se um processo alienatório para muitos dos aprendentes.
Tradicionalmente, a didatização das atividades para o ensino da leitura e escrita na escola cristalizou-se como uma linguagem estranha aos alunos, falantes nativos da língua portuguesa que nem sempre percebiam as práticas pedagógicas como extensão ou possibilidade efetiva do seu dizer. Longe de atender as necessidades do indivíduo, de desenvolver e ampliar os seus modos de expressão e interação, ou ainda, de alimentar o desejo de aprender, ensinava-se uma língua que, de fato, não era a dele; impunha-se uma relação como as letras incompatível com o seu mundo, e, portanto, a revelia do próprio sujeito.
Sem o entendimento e valorização das comunidades e discursos primários dos aprendentes, e porque não assenta naquilo que eles já conhecem rumo àquilo que podem vir a conhecer, a aprendizagem das letras é vazia e conduz a situações de rejeição por parte dos aprendentes, os quais se tornam, então sim, resistentes a esforços de alfabetização no seu sentido mais básico.Em vez disso, a aprendizagem da literacia pode e deve ser feita com as literacias primárias dos aprendentes – formas legítimas de expressão social do seu repertório, sejam elas quais forem – como ponto de partida. A escola é somente um dos muitos aspectos da participação social. Os alunos têm as suas vidas próprias fora do contexto da escola em que muitos desempenham já papéis muito relevantes nas suas comunidades primárias. Os professores, em vez de tentarem “converter os nativos” e “abrir as comportas da verdade”, a qual, condescendentemente, partilham com os seus alunos, devem, sim, tornar-se observadores atentos e tentar, de facto, conhecer os alunos a quem querem ensinar.
Quando a escola se integra primeiro no sistema social dos alunos e os ajuda a analisar e entender os seus discursos primários, a possibilidade de ensinar práticas literatas da sociedade alargada aumentam significativamente.