Poemas para crianças de Vinicius de Moraes

A Casa é um dos poemas para crianças de Vinicius de Moraes musicado que mais gosto. Até hoje canto pros meus filhos. Seguem mais poemas para crianças com ritmo.


A casa
Vinicius de Moraes

Era uma casa

Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia entrar nela, não
Porque na casa não tinha chão
Ninguém podia dormir na rede
Porque na casa não tinha parede
Ninguém podia fazer pipi
Porque penico não tinha ali
Mas era feita com muito esmero
Na rua dos Bobos
Número zero


© Tonga Editora Musical LTDA
A galinha d’ Angola
Vinicius de Moraes / Toquinho

Coitada, coitadinha

Da galinha-d’Angola
Não anda ultimamente
Regulando da bola


Ela vende confusão
E compra briga
Gosta muito de fofoca
E adora intriga
Fala tanto
Que parece que engoliu uma matraca
E vive reclamando
Que está fraca


Tou fraca! Tou fraca! 
Tou fraca! Tou fraca! Tou fraca!


Coitada, coitadinha
Da galinha-d’Angola
Não anda ultimamente
Regulando da bola


Come tanto
Até ter dor de barriga
Ela é uma bagunceira
De uma figa
Quando choca, cocoroca
Come milho e come caca
E vive reclamando
Que está fraca


Tou fraca! Tou fraca! Tou fraca!


© Tonga Editora Musical LTDA
 


Aquarela
Vinicius de Moraes / Toquinho / Guido Morra / Maurizio Fabrizio

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo

E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover com dois riscos tenho um guarda-chuva
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu


Vai voando, contornando
A imensa curva norte-sul
Vou com ela viajando
Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela branco navegando
É tanto céu e mar num beijo azul
Entre as nuvens vem surgindo
Um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo
Com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo
Sereno indo
E se a gente quiser
Ele vai pousar


Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos, bebendo de bem com a vida
De uma América a outra consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Um menino caminha e caminhando chega num muro
E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está


E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda nossa vida
E depois convida a rir ou chorar
Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia enfim
Descolorirá


Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá
E se faço chover com dois riscos tenho um guarda-chuva
Que descolorirá
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Que descolorirá


© Tonga Editora Musical LTDA



Canção da noite
Vinicius de Moraes / Paulo Tapajós

Dorme 

Que estou a teu lado
Dorme sem cuidado
Nã nã nã nã nã


Dorme
Oh, meu anjo lindo
Vai calma dormindo
Nã nã nã nã nã


Sonha 
Com noites de lua
Que minh’alma é tua
Quem vela sou eu!


Dorme 
Com riso na boca
Que a noite é bem pouca
Nã nã nã nã nã


Dorme 
E sonha comigo
Com teu doce amigo
Nã nã nã nã nã


© Irmãos Vitale S/A
 


  

Corujinha

Vinicius de Moraes / Toquinho


Corujinha, corujinha

Que peninha de você

Fica toda encolhidinha

Sempre olhando não sei quê


O seu canto de repente

Faz a gente estremecer

Corujinha, pobrezinha

Todo mundo que te vê

Diz assim, ah, coitadinha

Que feinha que é você


Quando a noite vem chegando

Chega o teu amanhecer

E se o sol vem despontando

Vais voando te esconder


Hoje em dia andas vaidosa

Orgulhosa como quê

Toda noite tua carinha

Aparece na TV

Corujinha, coitadinha 

Que feinha que é você


© Tonga Editora Musical LTDA


 O peru
Vinicius de Moraes / Toquinho / Paulo Soledade

Glu! Glu! Glu! 

Abram alas pro peru! 



O peru foi a passeio

Pensando que era pavão

Tico-tico riu-se tanto

Que morreu de congestão


O peru dança de roda

Numa roda de carvão

Quando acaba fica tonto

De quase cair no chão


O peru se viu um dia

Nas águas do ribeirão

Foi-se olhando, foi dizendo

Que beleza de pavão


Foi dormir e teve um sonho

Logo que o sol se escondeu

Que sua cauda tinha cores

Como a desse amigo seu


© Tonga Editora Musical LTDA / Direto

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s